Imagem verde com texto de cores branco, amarelo e verde que diz: oque e renda fixa.
RENDA FIXA

Pois bem, no decorrer deste conteúdo você perceberá que esse assunto não é difícil de se compreender: nos investimentos em renda fixa, o cálculo do valor a ser recebido é previamente definido e conhecido desde o momento em que ocorre a aplicação.

A renda fixa é uma modalidade de investimento muito popular entre os brasileiros e conhecida por ter rentabilidade mais estável e ser de baixo risco.

É o primeiro tipo de investimento ideal para você, caso você ainda não tenha nenhuma reserva de emergência ou para ser usado em metas de curto prazo.

De modo geral, quem compra um título de renda fixa significa que o mesmo está “emprestando” dinheiro para alguém.

Então, espera-se receber o valor investido no futuro acrescido de juros, que é a remuneração pelo tempo que o recurso foi emprestado.

Segue abaixo as condições dessa operação, fique ATENTO.

Primeiramente iremos começar pelo prazo (quando o título irá vencer), seguido pelas taxas, índices de referência e detalhes de toda a negociação dos papéis – Aqui são detalhadas desde o início.

O que é importante ressaltar é que renda fixa não é sinônimo de retorno 100% garantido. Esses investimentos também estão sujeitos a riscos de crédito e de mercado. Em algumas situações, o valor do papel pode variar tanto quanto o valor de uma ação.

Existem no mercado várias modalidades e as mais conhecidas são: títulos do Tesouro Direto, CDB, LCI, LCA, CRI, CRA e debêntures.

TIPOS DE RENDIMENTOS: TR, CDI e a SELIC.

Um quadro verde com seis desenhos de pilares com dinheiro em cima e uma mulher de costas olhando para o quadro.
Dinheiro em em pilares no quadro verde.

Quanto se ganha investindo em renda fixa?

As condições de remuneração variam muito, pois essa variação ocorre de papel para papel, de vencimento para vencimento, de emissor para emissor.

Geralmente, esses investimentos seguem alguns parâmetros, e os usam como referência. Os principais são TR, CDI e a SELIC.

Selic é caracterizada como a taxa de referência básica de juros da economia do nosso país. A meta para a Selic é definida frequentemente pelo COPOM (Comitê de Política Monetária do Banco Central).

Serve como referência para o governo pagar os investidores que adquiriram seus títulos, mas não só. O que acontece é essa taxa marca todas as operações que envolvem crédito no país, o que inclui aplicações de renda fixa.

CDI – Certificado de Depósito Interbancário – serve também como referência e de grande importância.

Representa a taxa média de juros das operações de crédito em curto prazo realizadas diariamente pelas instituições bancárias entre si. CDI e Selic praticamente andam juntas. Regularmente, as duas taxas praticamente são iguais.

TR – Taxa Referencial – Ele está em terceiro lugar em se tratando de ser referência mais comum na renda fixa.

Ela executa a conferência, se tratando de quanto a poupança está remunerando e é calculada com base nas taxas médias de CDBs prefixados emitidos por 30 instituições financeiras.

TRIBUTAÇÃO

Geralmente, as aplicações realizadas em renda fixa seguem o mesmo regime de tributação. Onde se é submetido a uma tabela regressiva do IR, isto é, Imposto de Renda, com alíquotas que diminuem de acordo com o tempo da aplicação.

A taxa considerada mais alta é a de 22,5% para investimentos retido por até seis meses. Para quem fica com o investimento retido no período de seis meses a um ano, a taxa cai para 20% e, se o investimento for ficar de um a dois anos, essa taxa cairá para 17,5%. A taxa mais baixa, é de 15%, aplicável a investimentos mantidos por dois anos ou mais.

REGRAS DEFINIDAS.

Vencimento: Toda investimento que ocorre em renda fixa tem um vencimento já definido. Por se tratar de um empréstimo, é necessário ter em mente quando o dinheiro será devolvido, e se você não precisara desse valor aplicado antes do vencimento.

Período de carência: algumas opções de renda fixa possuem um período dentro do qual o dinheiro investido não pode ser sacado.

Rentabilidade: dentro desta modalidade, a rentabilidade é dividida em outros seguimentos:

Pós-fixada -segue alguns índices, como Selic, CDI (taxa aplicada aos depósitos entre bancos e que acompanha de perto a Selic), IPCA (índice oficial que mede a inflação do país).

No momento da aplicação, será definido quanto desse índice o investidor receberá a cada mês. Por exemplo, 100% da taxa Selic. No entanto, o valor total da receita somente será conhecido no vencimento do investimento.

Prefixado – Nessa opção, o investidor já sabe na hora do investimento qual será o retorno.

Híbrido- Onde ocorre a combinação entre os dois tipo, ou seja, uma parte da rentabilidade pós-fixada mais uma parte da rentabilidade do prefixado.

O QUE É IMPORTANTE PARA OS INVESTIDORES PRESTAREM ATENÇÃO?

Homens e mulheres sentados em volta de uma mesa vestidos de terno enquanto olham para gráficos sendo apresentado em uma televisão por outra pessoa em pe.
Investidores em volta de uma mesa.

Deve-se ter muita atenção, principalmente quando se trata em termos de Credibilidade e solidez perante qual entidade ou quem emitiu o título: para evitar o risco de não haver o recebimento do seu capital aplicado em caso de falência da instituição.

Dentre vários títulos que são emitidos, o Tesouro Direto é considerados um dos mais seguros do país, pois são garantidos cem por cento pelo governo.

Quanto ao prazo para o resgate: o retorno combinado será pago se o dinheiro for investido no período definido. Ao optar pelo resgate antecipado, o investidor poderá obter como resultado negativo, podendo ter prejuízo no resultado e até mesmo sob valor que foi investido no início.

QUAIS SÃO AS VANTAGENS E AS DESVANTEGENS DE INVESTIR EM RENDA FIXA?

Homem de terno segurando dois sacos com desenhos de setas em cima uma balança de madeira.
Sacos em balança com vantagem e desvantagem.

Entre as principais vantagens está a maior previsibilidade quanto ao comportamento das funções e os ganhos que podem ser obtidos. Embora não sejam isentos de risco, como o nome “renda fixa” sugere.

Outra vantagem que podemos citar é a imensa variedade de produtos disponíveis, cada um com uma característica muito específica que se em caixa com a sua necessidade e objetivo.

Assim, é possível diversificar o portfólio, sem ter que colocar e realizar aplicações em uma única opção.

Por outro lado, uma das principais desvantagens da renda fixa é que os rendimentos são muito estáveis. Há menos chance de obter um alto retorno com mais rapidez, como é comum no mercado de ações.

De fato, com a queda das taxas de juros nos últimos anos, a rentabilidade dos títulos de renda fixa está se tornando cada vez menos atrativa.

Há um ponto adicional a ser considerado: embora haja uma grande variedade, alguns investimentos em renda fixa podem exigir altos investimentos iniciais, dificultando o acesso dos iniciantes que tem valor menor para aplicar.

Artigo anteriorFinanças pessoais
Próximo artigoRENDA VARIAVEL.
Meu nome é Dalila Lima, tenho 25 anos, graduada em administração de empresas e pós graduada em MBA em gestão de recursos humanos e desenvolvimento de equipes. Atualmente trabalho na gestão financeira de uma das maiores academias da minha cidade. Apaixonada pelo setor financeiro e econômico, sempre que tenho algum tempo estou me aprimorando e buscando tudo o que existe atualmente, a fim de agregar conhecimento e compartilhar com todos que desejam a tão esperada liberdade financeira. “Só uma pessoa pode mudar a sua vida: você”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui